Pequeno dicionário de Alemão para estudantes

Este é um dicionário com palavras que gostaria de ter aprendido em algum lugar antes de começar meu curso. Se alemão já é difícil, o jargão acadêmico é pior ainda! 

 

Promoção (Promotion)

Palavra importantíssima para estudantes de doutorado. Quando cheguei na Alemanha acreditava ingenuamente que eu era uma “estudante de doutorado”. Lembro de procurar no site da universidade informações sobre os cursos de doutorado, procedimentos, matrículas, mas não consegui achar nada. Fiquei com a idéia de que doutorado era uma coisa mística, suas informações reveladas apenas para iniciados, depois de marcarem um dia e uma hora com antecedência no departamento responsável, como bem gostam os alemães. Só que eu não conseguia nem mesmo descobrir qual era ou onde ficava o departamento responsável. Isso porque eu ainda acreditava que era uma estudante de doutorado. Levei meses pra descobrir o que eu realmente estava fazendo: eu estava (ainda estou) “promovendo”. Depois dessa descoberta tardia todo um mundo se abriu para mim. Agora posso responder displicentemente quando alguém pergunta: Você está promovendo? Sim, estou promovendo. Porque aqui doutorado se chama promoção. As pessoas põem no currículo: Fulano de Tal, promoveu no ano tal, Universidade tal… Nas minhas buscas pelos sites eu não tinha reparado na seção “Promotion”, pois nem de longe suspeitava que tinha algo a ver comigo! Pelo menos, ao final da minha promoção receberei o título de “Doutora” :)

 

Comilitões (Kommilitonen)

Ao ingressar na faculdade na Alemanha, um estudante ganha automaticamente vários comilitões. Não adianta a pessoa argumentar que não se interessa por política nem quer prestar serviço militar. Porque os alemães gostam de ser precisos com as palavras. Existe um termo pra colega de trabalho (Kollege), outro para colega de colégio (Mitschüler), e ainda outro para colega de faculdade (Kommilitone). Apesar dessa precisão louvável, sinto uma dor nos ouvidos cada vez que alguém se refere a colegas de faculdade. Talvez depois de mais alguns anos finalmente eu consiga me sentir à vontade com meus “comilitões”.

 

Clausura (Klausur)

Ao final do curso de alemão intensivo de um mês, gentilmente oferecido pela Universidade de Frankfurt para seus alunos estrangeiros, minha professora me perguntou se eu gostaria de fazer uma clausura. Fiquei surpresa. Um mês antes, em Budapeste, eu havia sido confundida com um freira por brasileiras que moravam em Dublin. Não entendi nada na ocasião e menos ainda estava entendendo a pergunta da minha professora. Como assim clausura? Esperando que não fosse nada relacionado a se trancar em um convento e fazer votos de silêncio, jejum, ou coisa parecida, confessei à professora não saber o que significava uma clausura. Para meu alívio descobri que era apenas o nome que os alemães dão a uma prova escrita. A clausura é uma das típicas formas de avaliação na universidade. Outras formas são o referato (Referat) que é um trabalho apresentado oralmente, e o protocolo (Protokoll) que é um relatório. Felizmente, como estou “promovendo”, não preciso fazer nenhuma avaliação, pois não necessito receber cédulas, o que me leva a próxima palavra:

 

Cédula (Schein)

O sistema de educação alemão, tanto no ensino primário e médio como no superior, é completamente diferente do que um estudante brasileiro, ou americano, ou mesmo europeu está acostumado. A maioria dos cursos pré-doutorado (eles são diferentes do bacharelado e mestrado que conhecemos e têm nomes como Diplom e Magister) têm um currículo onde o aluno faz algumas disciplinas sem uma avaliação no final, e outras com avaliação. O resultado da avaliação (pelo menos na minha universidade) vem escrito em um papelzinho (a tal cédula, ou Schein), que o aluno arquiva em uma singela pastinha de cartolina, e quando tem suficientes delas pode fazer provas e avançar dentro do seu curso, até eventualmente se formar. Um fato interessante é que a escala de notas vai de 1, que é a melhor nota, até 4, a média mínima na maioria dos cursos (5 e 6 são notas insuficientes para “passar”). 1 significa “muito bom”, e 2 “bom”. Notem que eles não tem “excelente”, os alemães são comedidos em seus elogios e avaliações, “muito bom” se torna portanto um elogio supremo!

 

Hora (Stunde)

Na minha primeira semana de doutorado fui assistir à aula ministrada pelo meu professor orientador. Me matriculei nessa disciplina que tem o excelente nome de “Seminário do Prof. Tal para mestrandos, doutorandos, e quem mais quiser”. Isso depois de descobrir que a matrícula, pelo menos na minha universidade, consiste em ir no primeiro dia de aula e assinar o nome em um papel que é passado entre os alunos. Vocês podem estar se perguntando: mas e as aulas mais disputadas? A primeira parte da resposta é que todos que querem assistir uma aula têm esse direito. Isso implica às vezes em ficar de pé espremido no corredor porque não tem mais lugar na sala (alguns alunos eventualmente desistem). Mas assistir à aula não é o mesmo que ter o direito de ser avaliado. Naturalmente o professor tem tempo apenas para avaliar um número x de alunos. Por isso quem precisa desesperadamente de “cédulas” tem que colocar seu nome logo nessa lista, e as aulas mais concorridas têm uma lista antecipada que fica na secretaria ou no mural do professor, então os alunos podem ir lá uma semana antes de começar as aulas pra fazer a sua “matrícula”. Mas voltando à questão da hora: no primeiro dia de aula todos fizeram suas apresentações e deu pra perceber que os mestrandos estavam um pouco desesperados e cheios de dúvidas, os doutorandos (uma minoria) um pouco mais tranquilos. A aula ia das 4 às 6 da tarde, e aí pelas 5 o professor anunciou que a próxima hora seria dedicada a atender os mestrandos e suas dúvidas, os doutorandos estavam dispensados. Fui saindo, junto com outros alunos, aproveitei o intervalo pra tomar um café. Na semana seguinte percebo que a turma está mais enxuta, só metade dos alunos vieram. Aos poucos vou me dando conta de que “hora” não significa literalmente uma hora, das 5 às 6 como eu havia pensado, mas sim uma aula, um encontro semanal da disciplina. Acabei indo na aula só para mestrandos sem querer. Mas não posso reclamar, afinal nós chamamos disciplinas da universidade de “cadeiras”. Nem só os alemães são esquisitos!

Anúncios

6 comentários sobre “Pequeno dicionário de Alemão para estudantes

  1. Caroline Siqueira disse:

    Schön!!!!

    Obrigada pela explicação de algumas coisas importantes que a gente qdo estuda alemão aki no brasil acaba nunca sabendo!!

    sorte pra você na alemanha!

    gostei muito do blog!

    abraços de uma desconhecida graduanda em letras de MG!

  2. denise scheyerl disse:

    me dá uma ajudinha por favor! vc. poderia me encaminhar um modelo de reaferat, ou seja os itens obrigatórios, talvez até um referat que vc. tenha escrito ou apresentado (o outline)? ficaria imensdamente agradecida, abraços denise scheyerl

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s